UERJ participa de Seminário Nacional das Cátedras Sérgio Vieira de Mello 

11/09/201913:58

Diretoria de Comunicação da UERJ

O X Seminário Nacional das Cátedras Sérgio Vieira de Mello reúne as 21 cátedras presentes em todo país. A UERJ sedia a primeira Cátedra do Estado do Rio e vai participar do evento, que começa nesta quarta-feira (11/09) e termina na sexta-feira (13/09). A abertura será na Casa de Rui Barbosa, localizada em Botafogo, e o encerramento na Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), na Gávea. A programação oferece discussões importantes sobre diversos aspectos da busca de refúgio no Brasil: desde debates sobre o corpo e mente até acesso a trabalho e violência urbana. 

“O objetivo é trocar experiências. Discutir o que está sendo feito, como está fazendo, quais desafios são encontrados, de que maneira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados precisa ventilar com o Governo Federal no sentido de garantir necessidades e demandas que estão assegurados pelos direitos dos refugiados no Rio de Janeiro”, afirma a professora Ana Karina Brenner, coordenadora do projeto na Universidade. 

Segundo ela, o fluxo é contínuo, ou seja, os refugiados entram e saem sem ter um tempo exato de permanência no curso de Português e Cultura Brasileira. No geral, a partir do momento em que arranjam emprego, eles se retiram das aulas. Entretanto, podem voltar a qualquer momento. Por conta da ampla diversidade, algumas questões culturais foram adaptadas para o conforto e segurança de todos, inclusive com espaço de lazer para crianças que acompanham os pais.

Com o objetivo de auxiliar aqueles que buscam refúgio no Rio de Janeiro por conta de conflitos socioculturais em seus países de origem, em 2014, a Faculdade de Educação juntamente com o Instituto de Letras começou a oferecer cursos de português para refugiados, em parceria com a Pares – Cáritas – Programa de atendimento a refugiados e solicitantes da Igreja Católica. 

A Cátedra Sérgio Vieira de Mello foi instalada em 2017 na UERJ. No primeiro semestre de 2019, aproximadamente 260 refugiados foram atendidos na Universidade. Vale ressaltar que a UERJ tem a cátedra mais diversificada. Além disso, vários campi, como a Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e a Faculdade de Formação de Professores também fazem parte do projeto em suas respectivas unidades. Hoje, mais três instituições de ensino do Estado abarcam a CSVM: UFF, UERJ, PUC-Rio  e Casa de Rui Barbosa.

“Existe uma questão que é o fato de quem está chegando se encontrar em uma situação muito fragilizada. Então, toda diferença é sentida de maneira mais radical, daí a gente precisa cuidar das pessoas, ter mais atenção. É  necessário dar um espaço de preservação dessas pessoas também”, relata a coordenadora da Cátedra na UERJ.