Um ano após desastre ambiental, Uerj lança dossiê sobre Brumadinho

12/02/202011:55

Diretoria de Comunicação da UERJ

O livro “Impactos da mineração na vida dos pescadores artesanais do rio Paraopeba – Dossiê: Brumadinho (MG)”, de Catia Antonia da Silva, do Departamento de Geografia da Faculdade de Formação de Professores (FFP), tem lançamento marcado para março, no campus Maracanã da Uerj.

A publicação é fruto de um estudo sobre a situação da comunidade ribeirinha, diretamente atingida pelo desastre ambiental ocorrido em janeiro de 2019 na cidade de Brumadinho, em Minas Gerais, em função do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, da empresa Vale S.A.

Com o incidente, 12 milhões de metros cúbicos de lama tóxica provocaram rupturas profundas na vida da população local, principalmente dos que sobreviviam da pesca. “Muitos foram os transtornos e inseguranças, sem falar na tristeza com a morte de familiares e amigos. São questões nacionais e internacionais, que remetem à reflexão sobre o sentido do crescimento econômico, que negligencia custos sociais e ambientais”, afirma Catia da Silva.

De acordo com a pesquisadora, cabe à Geografia das Existências estudar tais cenários, relacionados à perda dos vínculos das sociabilidades, ao direito à dignidade, ao trabalho, ao lazer e à paz. “Meu papel como professora é mostrar essas invisibilidades, promover o exercício da cidadania”, atesta. 

Na obra, são listadas 14 espécies de peixes comumente encontradas no Paraopeba, que figuravam como fonte de renda e subsistência dos moradores da região. Do mesmo modo, o livro mostra a dificuldade encontrada pelas 25 famílias para vender o pescado proveniente de diferentes pontos do rio. “Os pescadores dizem que há grande desconfiança por parte dos consumidores. É preciso uma reparação centrada na cadeia produtiva”, diz a professora da FFP, que se incumbiu de encaminhar o resultado do trabalho realizado ao Ministério Público Federal (MPF) e ao Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG). 

“Impactos da mineração na vida dos pescadores do rio Paraopeba – Dossiê: Brumadinho (MG)” obteve o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa (Faperj), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Articulação dos Pescadores e Pescadoras Sul e Sudeste (Appsulse) e do Núcleo de Pesquisa e Extensão: Urbano, Território e Mudanças Contemporâneas (Nutemc). O lançamento, previsto para março, ainda não tem data agendada, mas o livro já pode ser adquirido no site da editora.