Plano Sanitário Norteador define orientações para uma futura retomada das atividades presenciais na Universidade

15/10/202009:00

Diretoria de Comunicação da UERJ

Qual será o momento de retomada das atividades presenciais na Uerj? Ainda não é possível precisar uma data, já que os rumos da pandemia continuam incertos. Mas, compreendendo que o retorno deverá acontecer de forma gradual e que algumas atividades essenciais continuam sendo desenvolvidas presencialmente, a Comissão para Acompanhamento e Suporte à Tomada de Decisão sobre o Coronavírus na Universidade criou o Plano Sanitário Norteador, aprovado pela Reitoria (AEDA 58/2020), definindo normas para organização e planejamento de novas rotinas a serem adotadas, especialmente no campus Maracanã, onde circula a maior parte da comunidade acadêmica.

Segundo o vice-reitor da Uerj, Mario Sergio Alves Carneiro, que preside a comissão, as decisões de reabertura ou não das unidades – com exceção das essenciais, que já vêm funcionando, como o Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe), a Policlínica Piquet Carneiro (PPC) e, mais recentemente, parte da Faculdade de Odontologia – vão obrigatoriamente acompanhar os dados epidemiológicos no Estado. A flexibilização vai depender do número de novos casos e da taxa de mortalidade, assim como da ocupação dos leitos de UTI. “Nós precisamos estar preparados para todas as situações que a pandemia traga, seja confinamento ou retorno presencial. É muito importante que cada funcionário – docente, técnico-administrativo, terceirizado – e também os alunos, estejam engajados no propósito de impedir a disseminação da doença, seguindo todo o protocolo”, explica Carneiro.

Ajustando a infraestrutura e a circulação de pessoas

De acordo com o plano norteador, as unidades acadêmicas devem apresentar diagnósticos estruturais específicos de seu ambiente, considerando os locais de atuação do ensino, laboratórios de pesquisa, espaços de convivência e administração. Cabe a cada uma planejar o redimensionamento da capacidade a partir da planta física do prédio em que se situa, identificando as metragens para estimar a quantidade segura de pessoas por sala, adotando o distanciamento recomendado. 

O documento também estabelece que, em uma futura retomada, o fluxo de pessoas nas unidades deverá ser controlado com implementação de registros de entrada e saída na recepção e identificação, com uso de crachá institucional e crachá para visitantes. E ficará a cargo de cada direção avaliar possíveis escalas entre docentes,  técnicos e discentes, conforme as possibilidades e grades curriculares.

Será obrigatório o uso de máscara e todos deverão se submeter à medição de temperatura corporal ao ingressar nas portarias. Há previsão de instalação de pias nestes locais, a fim de facilitar a higienização das mãos, e dispensadores de álcool em gel 70% em pontos estratégicos.

O uso de escadas e rampas deverá ser priorizado. Já a utilização dos elevadores será considerada nos casos de emergências e dificuldades de locomoção. E nos halls de espera haverá marcação que estabeleça distância segura.

Nos locais de refeições, como refeitórios, restaurantes e quiosques, as mesas deverão ser reorganizadas, de modo que seja garantido o espaço de dois metros entre as pessoas. Recomenda-se o fornecimento das refeições em pratos prontos. 

Educação e Vigilância em Saúde 

O Plano Sanitário Norteador estabelece que sejam criados protocolos para monitoramento do estado de saúde dos  servidores, terceirizados e alunos nas diversas unidades da Uerj, para  identificação e afastamento de casos sintomáticos, suspeitos e confirmados de  contágio pela Covid-19. E indica que seja analisada a possibilidade da implementação de ampla testagem da comunidade universitária.

Para que o retorno semipresencial e presencial aconteça, enfatiza o documento, a Universidade deve adotar medidas voltadas à educação em saúde da comunidade interna, buscando incorporar hábitos individuais e coletivos de prevenção de riscos de contaminação que sejam sustentáveis pelo período que a pandemia ainda impuser.

Além da cobrança do uso de máscara e do incentivo à higienização pessoal frequente, os gestores devem criar novas rotinas para limpeza de objetos e superfícies de uso comum e promover organização de modo a evitar aglomerações. Segundo o vice-reitor, o treinamento para todas essas ações previstas no documento deve ser providenciado pelas direções das unidades acadêmicas e administrativas da Universidade, já que compreendem de perto seu espaço e recursos humanos. “Nossa orientação é que isto se inicie o quanto antes, e que seja uma medida de educação permanente”, conclui Carneiro.

A Comissão para Acompanhamento e Suporte à Tomada de Decisão sobre o Coronavírus na Universidade vem recebendo propostas de adequação e emitindo pareceres. É importante que as unidades acadêmicas e administrativas elaborem seu planejamento tendo o Plano Sanitário Norteador como base.

Confira o Plano na íntegra.