Hospital Universitário Pedro Ernesto inaugura centro de referência em assistência e pesquisa pós-Covid

03/06/202117:40

Diretoria de Comunicação da UERJ

Autoridades estaduais participam da inauguração do espaço multidisciplinar de atendimento a quem enfrentou a doença e apresenta sequelas. A expectativa é de que o ambulatório receba a demanda de quase 35 mil pacientes de todo o Estado. 

Boulevard 28 de Setembro. O endereço historicamente boêmio vem se consolidando como ponto de referência para a pesquisa e assistência à saúde da população fluminense. Prova disso é o novo Centro de Atendimento Multidisciplinar Pós-Covid que o Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) e a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) inauguraram no dia 31 de maio e que começa, neste mês, a receber os primeiros pacientes. O espaço, localizado no número 125 da via, conta com estrutura ambulatorial de médicos, fisioterapeutas, psicólogos e nutricionistas para receber pacientes encaminhados pelo Sistema Estadual de Regulação (SER). Além do atendimento, o centro será polo de pesquisa básica e clínica sobre temas envolvendo o tratamento, prevenção e imunização ao coronavírus Sars-CoV-2.

O centro foi inaugurado em uma cerimônia que reuniu o diretor do Hupe, Ronaldo Damião; o reitor da Uerj, Ricardo Lodi; e o governador do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro.  Também estiveram presentes o secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe; o titular da pasta de Ciência, Tecnologia e Inovação, Dr. Serginho; e o deputado federal Dr. Luizinho. Na ocasião, foi apresentada a estrutura do ambulatório que possui espaço para atendimento a diferentes especialidades. Um dos diferenciais já será notado no primeiro atendimento aos pacientes que passarão por avaliação da Enfermagem, da Clínica Médica, Fisioterapia (motora e respiratória) e até Serviço Social. De acordo com o diagnóstico inicial, o paciente poderá começar o atendimento em uma das especialidades clínicas oferecidas pelo espaço.

PIONEIRISMO – O diretor do Hupe, Ronaldo Damião, considera que o centro reforça o protagonismo da unidade e da própria universidade, ao responder as demandas frente à pandemia. “O Complexo de Saúde da Uerj mais uma vez assume o pioneirismo e reforça o grande compromisso com a saúde do Estado – o que já fizemos quando abrimos a primeira enfermaria pós-Covid em 2020 e servimos de exemplo para vários estados, tanto para as unidades públicas quanto para as particulares”, ressalta Damião. Ele destaca ainda que o espaço servirá para a coleta de dados a serem usados nas investigações científicas da Uerj na área de saúde. 

“Esta é uma das instituições mais parceiras do Estado. Impressionante a vontade que esta turma sempre tem para avançar e quebrar paradigmas”, disse o governador Claudio Castro, que, durante a cerimônia de inauguração, fez questão de parabenizar a Uerj e o Hupe por sempre se colocarem à disposição do atendimento à população, especialmente no período de pandemia. 

Para o reitor da Uerj, Ricardo Lodi, a instalação do centro multidisciplinar confirma a função já desempenhada pela universidade como polo de implementação de políticas públicas. “Apostar na Uerj está dando certo”, enfatiza Lodi lembrando ainda que são iniciativas como estas que costuram o apoio estadual à instituição e podem ser fundamentais para a população fluminense. E neste sentido, o reitor complementa: “Este espaço com certeza fará a diferença na vida das pessoas”. 

ATENDIMENTO – O Ambulatório Multidisciplinar Pós-Covid, como está sendo chamado o novo centro, receberá pessoas como Emanuel Fernandes, 46 anos, que chegou a ficar 23 dias internado no Hupe. “Estou há 15 dias em casa. E ainda tenho dificuldade para andar, perdi 21kg e ainda fico ofegante”, relata o paciente. Os sintomas podem se reflexo do tempo de internação e do quadro clínico de Emanuel que chegou a ter 70% do pulmão comprometido devido à Covid-19. Para investigar casos como o dele, o centro está montado com consultórios e até mesmo um espaço para a realização de alguns exames laboratoriais rápidos. O propósito é facilitar ao máximo o atendimento a este público.

Os consultórios começarão a receber pacientes já a partir do dia 7 de junho. “Todos serão encaminhados pelo Sistema de Regulação do Estado, o SER”, explica a chefe do Núcleo de Internação e Regulação (NIR) do Hupe, Carla Campos do Nascimento, que também é responsável pela logística do novo espaço. Ela e a equipe do NIR acompanharam a montagem do centro. Para quem pretende ter acesso ao serviço, a dica é dirigir-se à Clínica da Família mais próxima. A partir deste atendimento, o paciente poderá ser inserido no sistema e então ser encaminhado ao novo Centro. 

ESPECIALIDADES E ATENÇÃO ÀS SEQUELAS – De acordo com o cardiologista coordenador do ambulatório de Medicina Clínica do Hupe, Paulo Roberto Benchimol, uma das principais sequelas da Covid-19 é a Síndrome Pós-Intervenção Intensiva. Comum em quase 100% dos casos de quem passou por intubação, ou seja, suporte ventilatório, ela se caracteriza por sintomas como alterações físicas e psicológicas que afetam a saúde e a rotina destes pacientes. “Há uma tríade presente no quadro pós-Covid: fraqueza muscular, desnutrição e alteração cognitiva”, diz o especialista.

O cardiologista também destaca que a sedação por longo período tende a ocasionar sintomas até mais graves, como fibrose pulmonar. Outra preocupação são as lesões cardíacas. De acordo com Benchimol, elas ocorrem em 44% dos pacientes que passaram por UTI Covid-19. “Outra característica é que, quando vai para o tubo, aproximadamente cinco dias depois, o paciente tende a precisar de diálise”, cita Benchimol.

A observação a todos os suportes para atendimento e investigação aos casos e sequelas pós-Covid levou à estrutura do novo ambulatório. O local conta com um espaço de atendimento clínico geral e consultórios especializados. “Diversas pesquisas sobre sintomas neurológicos na Covid-19 estão em andamento. Nossa meta é orientarmos a população com o que há de mais atual sobre o assunto para que possamos entregar um serviço de referência e qualidade”, adianta a neurologista Sara Martinelli de Souza, responsável pelo atendimento especializado da Neurologia no pós-Covid.

TRATAMENTOS FUNDAMENTAIS – Já referenciada pelo atendimento de excelência feito junto às enfermarias Covid, a Fisioterapia do Hupe, agora se prepara para fazer os atendimentos ambulatoriais no novo espaço. Pela primeira vez, o serviço irá atender os pacientes desde a triagem até a reabilitação. “Em virtude das perdas funcionais após a Covid, que são consequências de acometimentos pulmonares e motores diretamente relacionados à doença ou a internação hospitalar, vamos em busca de meios para devolver a qualidade de vida e o nível de funcionalidade que esses pacientes apresentavam previamente” adianta Simone Abrantes Saraiva, chefe do Setor de Fisioterapia do Hupe.

Paulo Bechimol relata que um dos fatores comuns entre pacientes pós-Covid é o chamado estresse pós-traumático. Dificuldade em dormir e concentração são alguns sinais de alerta desta situação. Atenta a isso, a equipe do Ambulatório Multidisciplinar abriu um dos consultórios especialmente para o atendimento psicológico.

A psicóloga Luisa Freire de Moraes será a responsável pela área no novo espaço. “Enfrentamos e atravessamos um momento de sobreposição de tempos, no qual, enquanto ainda vivemos a pandemia, com alto risco de novas contaminações, começamos a pensar nos efeitos e no período posterior a esta doença, ainda tão desconhecida. As sequelas anatômicas e psíquicas deste período de tantos desafios ainda precisam ser escutadas, acompanhadas, para que então, possam ser compreendidas¨, diz.

(Por Coordenadoria de Comunicação Social do Hupe/ComHupe)

 

Confira o registro da inauguração do espaço, na reportagem da TV Uerj.