Csepe aprova oferta de disciplinas de forma remota na pós-graduação e discute alternativas para a graduação

19/06/202013:12

Diretoria de Comunicação da UERJ

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Csepe) aprovou, nesta quinta-feira (18), a deliberação que cria normas temporárias para os programas de pós-graduação stricto sensu durante a pandemia de Covid-19. Na sessão, também foram expostas algumas alternativas para retomada das atividades letivas dos cursos de graduação.

O pró-reitor de Pós-graduação e Pesquisa, Luís Antônio da Mota, ressaltou que, mesmo com o isolamento social, os mestrados e doutorados não ficaram totalmente paralisados. “Por exemplo, estudantes que tivessem completado seus estudos foram autorizados a defenderem suas dissertações ou teses virtualmente”, afirmou. A nova norma chega para regular outras atividades possíveis para este segmento, como a oferta de disciplinas de forma remota.

Os programas poderão organizar a abertura de turmas, inscrições, trancamentos e avaliações, respeitando a carga horária prevista em cada curso. Os alunos que não tiverem condições de aderir às atividades, por questões de saúde ou conexão à internet, não serão prejudicados ou avaliados negativamente, sendo facultado cumprir os créditos exigidos em outro momento.

Já para os cursos de graduação, foi apresentado o planejamento que está sendo elaborado conforme determinação da Reitoria. Entre as propostas sugeridas, estão: a ampliação do período de integralização para todos os cursos, a prorrogação do calendário 2020.1 até setembro e a criação de condições especiais para alunos com previsão de conclusão de curso neste semestre.

Segundo o sub-reitor de Graduação, Lincoln Tavares, a projeção de retorno foi pensada para três cenários: totalmente presencial; com percentuais presenciais e on-line; e totalmente on-line. Tavares enfatizou que está sendo feita uma pesquisa com todos os estudantes da Universidade, a fim de subsidiar as políticas de inclusão digital necessárias. “E não estou falando unicamente na possibilidade de concessão de chips de dados, mas do entendimento de toda a ambiência que cerca o processo de ensino-aprendizagem e das relações que vamos precisar tecer na Universidade em função da pandemia”, acrescentou.

O reitor Ricardo Lodi Ribeiro voltou a afirmar que as atividades regulares presenciais não serão retomadas enquanto não houver segurança respaldada por especialistas, e que as aulas não serão convertidas à modalidade Educação a Distância (EAD). Mas, de acordo com o reitor, é preciso desenvolver alternativas. “É nosso papel construir este modelo de ensino remoto emergencial, que evidentemente vai ser diferente em termos de conteúdo e extensão. Mas temos a consciência de que a Universidade não poderá se manter em completa suspensão até o fim das restrições sanitárias. Isso vai demorar muito tempo. Precisamos dar uma resposta para a sociedade agora”, concluiu.

Confira a transmissão realizada pela TV Uerj.