Uerj e Câmara Municipal de Petrópolis firmam parceria para revitalização do Palácio Amarelo

22/01/202110:38

Diretoria de Comunicação da UERJ

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e a Câmara Municipal de Petrópolis firmaram uma parceria que tem por objetivo a revitalização do Palácio Amarelo, sede do órgão legislativo da cidade, considerado patrimônio cultural brasileiro. Com a intenção de se traçar o planejamento estratégico participativo para a gestão do prédio histórico, vários encontros foram realizados com a presença de representantes de instituições públicas, como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Prefeitura Municipal de Petrópolis, Museu Imperial, Fiocruz, Uerj, Câmara Municipal, além de membros da sociedade civil organizada.

Segundo a professora Maria das Graças Ferreira, do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola Superior de Desenho Industrial (Esdi) da Uerj, desde o início o projeto foi  concebido buscando alcançar a efetiva participação da sociedade civil. “O Palácio Amarelo é um bem tombado nas três esferas: federal (Iphan), estadual (Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – Inepac) e municipal (Secretaria Municipal de Obras e Planejamento). É fundamental que a população também se envolva, opine sobre o projeto, conheça melhor sua história e participe de um processo de restauração desse monumento. Isso enriquece o trabalho que tem como objetivo a valorização de um patrimônio histórico que é de toda a sociedade”, afirma Ferreira, que também é coordenadora do Projeto Estratégico Participativo do Palácio Amarelo.

O convênio, firmado em outubro de 2020, tem um prazo de três a cinco anos para ser concluído e está dividido em três eixos: parte física, que envolve o restauro propriamente; a educação patrimonial; e divulgação do Palácio para a sociedade, sua história e sua importância. Nesse período, será implantado na Câmara Municipal um Núcleo de Inovação para desenvolver as ações previstas.

De acordo com a professora, a equipe do projeto será composta por cinco professores da Esdi, cinco funcionários da Câmara e cinco estagiários. Os contratos serão anuais, custeados pelo Legislativo Municipal. “Quando fomos procurados pela Câmara para desenvolver essa parceria, a contrapartida pedida foi justamente essa: a contratação de estagiários de Arquitetura para o projeto”, conclui.