No Dia da Enfermagem, a Uerj aplaude seus profissionais e a atuação decisiva na vacinação contra a Covid-19

12/05/202118:56

Diretoria de Comunicação da UERJ

Em 12 de maio, é celebrado o Dia Internacional da Enfermagem. A escolha da data é uma referência ao nascimento de Florence Nightingale, britânica que foi pioneira da enfermagem moderna. E a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) presta uma homenagem especial a todos esses profissionais que atuam no cuidado e na preservação da vida, reconhecendo o trabalho que vêm desempenhando como docentes, integrantes da linha de frente, aposentados ou voluntários, engajados no combate ao novo coronavírus e, especialmente, nos postos de vacinação contra a Covid-19 instalados no campus Maracanã. 

Em parceria firmada entre a Uerj e Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, mais de 37,8 mil pessoas foram imunizadas até o momento, somando-se os atendimentos no drive-thru, montado no dia 1º de fevereiro deste ano, e o posto de pedestres, aberto no dia 4 de março. O número de vacinados na Uerj é expressivo: basta lembrar que, na última projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 42 dos 92 municípios do Estado tinham até 32 mil habitantes. Ou seja, quase metade das cidades fluminenses tem menos pessoas do que o total de imunizados na Uerj. 

A campanha de imunização vem contando com a mobilização de equipes da Faculdade de Enfermagem (Fenf), da Enfermagem do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) e da Policlínica Piquet Carneiro (PPC), além do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho (Dessaude). A diretora da Faculdade de Enfermagem, Luiza Mara Correia, ressalta a importância desse esforço. “Foram momentos únicos, ao vacinarmos idosos com mais de cem anos e vermos famílias com esperanças renovadas. Mas não somos heróis. Todos os dias precisamos lutar pelo fortalecimento do SUS, por um piso salarial nacional e jornada de 30 horas. É uma luta histórica”, relata.

A vacinação na Uerj só tem sido possível, ainda, graças à atuação da Pró-reitoria de Extensão e Cultura (PR-3), sob o comando da professora Cláudia Gonçalves. A logística e a infraestrutura de segurança, limpeza, apoio e manutenção se mostraram fundamentais em todo o processo. “Os profissionais envolvidos não só colaboram nessas atividades, como têm uma capacidade de acolhimento das pessoas que é algo incrível”, reconhece Ricardo Mattos, vice-diretor da Fenf.


O trabalho da Enfermagem, na voz dos homenageados do dia

Professores na Vacinação: Cláudia Gonçalves (PR-3), Joana Carinhanha, Ricardo Mattos, Luiza Mara Correia, Sonia Acioli, Maria Therezinha Nóbrega, Thereza Varella e Alessandra Nunes


.

Luiza Mara Correia
Diretora da Faculdade de Enfermagem 

“No dia 12 de maio de 2021, iniciam-se as comemorações da 82ª Semana Brasileira de Enfermagem com ações on-line em razão da prioridade nacional para a agenda do enfrentamento à Covid-19. Somos a maior categoria de profissionais da saúde, a única que trabalha 24 horas por dia, todos os dias da semana, do nascimento à pós-morte, e assistimos em todos os níveis de atenção à saúde, ensino, pesquisa, extensão e gestão. Estamos na linha de frente da pandemia e também na coordenação e aplicação das vacinas, neste país que ultrapassa 415 mil vidas ceifadas na combinação de um vírus mortal aos atos e omissões do presidente da República. Vivemos uma grande emergência sanitária e a precariedade do fornecimento de vacinas foi fragilizando nosso programa nacional de imunização. Desde o dia 13 de março de 2020, passamos por momentos de discussões e debates sobre os múltiplos sentimentos e lições que essa pandemia nos trouxe e nos traz até os dias atuais. Para refletir sobre as políticas públicas, as organizações dos sistemas e dos serviços de saúde, o processo de saúde e doença, a vigilância, as múltiplas formas de cuidar, viver, adoecer e sobreviver.” 

Vice-diretor da Fenf em ação

Ricardo de Mattos Russo Rafael 
Vice-Diretor da Faculdade de Enfermagem

 “Como enfermeiro e sanitarista, posso dizer que essa, sem dúvida alguma, é a atividade que mais me deu prazer e emocionou. Foram incontáveis os dias em que saí do pátio de vacinação da Uerj à base de choro. Um choro de emoção por poder estar vivendo e lutando. É essa nossa esperança, é o que aguardamos tanto: a vacinação contra a Covid-19. Ao mesmo tempo, me emociono também pela oportunidade de dividir o trabalho com meus alunos, colegas professores, enfermeiros e enfermeiras – é importante dizer e destacar que esta é uma profissão majoritariamente feminina. Foram momentos de aprendizado, troca e também reflexão: o quanto a vacinação poderia ser muito maior e mais capilar do que tem sido? Vacinação não é uma estratégia individual de proteção, e sim coletiva. Então, vida longa a todos nós! Nossa Faculdade de Enfermagem é signatária do movimento pela aprovação do PL 2564/2020, que institui o Piso Salarial do Enfermeiro, do Técnico de Enfermagem, do Auxiliar de Enfermagem e da Parteira. Até hoje a profissão não tem uma regulamentação de piso no âmbito nacional. 

Ana Maria Machado Leão
Professora do Departamento de Enfermagem de Saúde Pública

“A Enfermagem está intensamente envolvida no enfrentamento da pandemia de Covid-19: no acolhimento das pessoas; nos cuidados alinhando conhecimentos técnicos e científicos; na articulação com outros profissionais de saúde. Frente à pandemia, com tanto sofrimento pela gravidade da doença e elevado número de óbitos, há muita expectativa da vacina para todos. O que só reafirma a importância do projeto de extensão Vacinando a Comunidade, da Faculdade de Enfermagem da Uerj, que existe há mais de quatro décadas”.

Luana Ferreira de Almeida
Professora do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica

“Desde o dia 1º de fevereiro de 2021, quando começou a campanha de vacinação contra a Covid-19 no formato drive-thru, no campus Maracanã da Uerj, estive envolvida nesta importante ação. Como professora, fui vacinadora e supervisora de residentes que atuaram como vacinadores. Foram várias ações diárias – desde a organização local, planejamento do fluxo, controle de temperatura da vacina, orientação à população e familiares sobre aplicação da vacina e os cuidados posteriores – que transformavam o cansaço do final do dia em um sentimento de satisfação e emoção diante da reação dos idosos que receberam as vacinas. Participar deste momento histórico me permitiu ter ainda mais orgulho do trabalho da Enfermagem e do papel social desempenhado pela Uerj neste momento de crise”.

Luciana Guimarães Assad
Professora do Departamento de Fundamentos de Enfermagem

“Percebi que não estamos atuando em uma campanha comum, aplicando vacinas como um produto final de nosso trabalho. Estamos, mais do que tudo, compartilhando esperanças e alegria por dias melhores. Vimos idosos literalmente dançando de alegria ao receber a dose da vacina; outros levando flores e bombons para a equipe como forma de agradecimento; recebemos cartas e depoimentos de agradecimento ao SUS e à Enfermagem que nos emocionaram; fomos contagiados pelo brilho nos olhos de pessoas com os rostos cobertos pela máscara; vimos idosos voltando a fazer planos para rever seus filhos ou uma simples ida ao supermercado. Agradeço a parceria e a oportunidade de conviver com um grupo altamente competente, ético e humano”.

Joana Iabrudi Carinhanha
Professora do Departamento de Enfermagem Materno-infantil

“O que precisamos neste momento de tamanha crise sanitária, mas também moral, política, econômica? Sensibilidade, criatividade e disposição! Mesmo diante de um cenário de enfraquecimento do SUS e ausência de diretrizes claras para o enfrentamento da pandemia, a Uerj, por ser uma universidade socialmente referenciada e tradicionalmente reconhecida por seu caráter extensionista, vem enfrentando o desafio de construir uma grande campanha de vacinação. Com qualidade, acolhimento e empenho, a Enfermagem da Uerj, num belo e potente trabalho colaborativo, reuniu seus professores, alunos de vários cursos, técnicos-administrativos e, cotidianamente, vem produzindo a campanha de vacinação. A enfermagem da Uerj, que cuida, também luta! Luta pelo SUS! Luta pela vida! Luta para garantir espaços e direitos”. 

Regina Lucia Monteiro Henriques
Professora aposentada e ex-diretora da Faculdade de Enfermagem, ex-sub-reitora de Extensão e Cultura da Uerj

“Todos nós temos a responsabilidade de fazer algo, não importa a dimensão, para contribuir no enfrentamento da crise sanitária que atravessamos e reduzir os danos que têm vitimado tantas pessoas. Essa foi a contribuição que achei que poderia dar. Minha faculdade está brilhando no trabalho realizado nesta campanha de vacinação, tem cumprido seu compromisso social. Sou muito grata por terem acolhido a mim e outros colegas aposentados, nos permitindo viver essa experiência. Importante destacar que receber a população, orientá-la e administrar a vacina com todo o cuidado e técnica exigidos, apoiada pelo trabalho precioso da coordenação local da campanha e pelo zelo da PR-3, só confirma as escolhas que fiz ao longo de minha vida. A Uerj, em relevante trabalho da extensão universitária, está se destacando e sendo um diferencial no enfrentamento à pandemia no município do Rio de Janeiro”.

Graduanda da Faculdade de Enfermagem atua como voluntária

Maria Eduarda Coelho
Estudante de Enfermagem e Coordenadora do Centro Acadêmico de Enfermagem Rachel Haddock Lobo

Fui convidada para atuar como voluntária no drive-thru de vacinação da Uerj. Criamos um formulário on-line e um grupo de WhatsApp para que todos os interessados da faculdade se inscrevessem. Sem os voluntários de Enfermagem e dos demais cursos da Uerj, a organização e a agilidade não teriam sido possíveis. A experiência que eu tive, os profissionais, voluntários e pacientes que conheci e as coisas que presenciei contribuíram muito para a aprendizagem, não apenas biomédica, mas principalmente sobre cidadania, humanização e cuidado com o outro. Sempre levarei comigo uma lição apreendida na pandemia: a resiliência. Este é o padrão ouro da Uerj: atender a comunidade com excelência e humanização, fatores que aprendemos desde que pisamos na universidade e levamos conosco para sempre como nossa identidade.”

Alessandra Nunes
Coordenadora do Departamento de Enfermagem da Policlínica Piquet Carneiro (PPC)

“Na PPC, tivemos nossos ambulatórios fechados logo no início da pandemia, mas muitos pacientes crônicos precisavam manter seu atendimento ou correriam riscos graves. Assim, precisamos nos reinventar. Novas ferramentas foram usadas para garantir o suporte necessário aos usuários e mais de 50 mil testes foram realizados pela PPC.  Quando a Secretaria Municipal de Saúde fechou o acordo com a Uerj para atuar como um posto de vacinação, a Policlínica entrou com a Faculdade de Enfermagem, em parceria. Foi outra experiência extremamente gratificante e emocionante. O profissional de Enfermagem vem protagonizando todo esse processo de vacinação. Mais uma vez, nós pudemos perceber a união dos profissionais de saúde na campanha de vacinação: alunos, voluntários, professores aposentados que pedem o retorno para que eles possam fazer parte… Só temos o que agradecer e nos orgulhar por todo o trabalho que foi desempenhado durante esse tempo, com sucesso.”

Rejane Araújo (segunda à esq.), ao lado da pró-reitora Cláudia Gonçalves, da enfermeira Bianca Siciliano e do técnico em enfermagem Rafael Rocha

Rejane Araújo
Coordenadora de Enfermagem do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe)

“Ser coordenadora de Enfermagem é estar à frente de um grupo grande, talvez a maior categoria profissional dentro do Hospital Universitário, e que atua na ponta, já que a Enfermagem se relaciona diretamente com os doentes e seus familiares. Os profissionais que atuam em hospital estão acostumados com o paciente acamado, intubado nos CTIs, nas cirurgias, e acabaram indo para o campus atuar com pessoas que vêm de casa andando, acompanhadas, tirando foto e vibrando por uma vacina. Minha surpresa é que, ao final dos dias de trabalho, observávamos um grupo tão feliz pela oportunidade de ter o carinho e a felicidade dessa população que atendemos. É emocionante estarmos à frente de um grupo que não foge à luta, que mesmo de férias, de licença, se dispõe, tentando manter uma relação com a população de transparência, educação e respeito.”