Irreverência e criatividade na “Fórmula de Soluções”

02/01/202015:51

Diretoria de Comunicação da UERJ

Professor do Instituto de Química conquista estudantes com canal no YouTube

Transmitir os conceitos fundamentais da Química para recuperar alunos e diminuir a evasão universitária de cursos que têm a ciência como base. Este é o mais novo objetivo do professor adjunto Leonardo Costa, do Instituto de Química (IQ), onde ministra aulas de Química Geral e Inorgânica. Ele criou o “Fórmula de Soluções”, um canal no YouTube, e dá expediente também on-line. Com vídeos pra lá de divertidos e incomuns, além dos graduandos, consegue conquistar a atenção de outros públicos, promovendo o ensino da disciplina de maneira lúdica.

O início do que hoje é uma ferramenta aliada à educação se deu quando Leonardo observou a carência de conteúdo de alguns estudantes da graduação em Farmácia da Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (UEZO), onde lecionou de 2013 até fevereiro deste ano, antes de ingressar no IQ. Uma aluna, em especial, relatou que não havia conhecido Química no Ensino Médio e que abandonaria o curso, pois temia não ser capaz de acompanhar a turma. Sensibilizado, o docente começou a pensar em uma forma de reverter aquela condição. Ele passou a dedicar parte da aula para recuperar o tempo perdido e resgatar a motivação.

As aulas eram restritas ao ambiente acadêmico. Mas a didática de fácil entendimento caiu no gosto dos alunos, que incentivaram o professor a produzir vídeos com os principais conceitos, dúvidas e curiosidades da ciência, para que pudessem compartilhar com outros colegas e parentes. Assim surgiu a ideia, o embrião do canal, no ar desde janeiro de 2018. A simples ajuda acabou se transformando na missão dele e vai se tornar um Projeto de Extensão da UERJ, no próximo ano.  

O agora professor youtuber – ou aspirante a “edutuber”, como são chamados os youtubers da educação afirma que identifica esse mesmo déficit de aprendizagem nos estudantes da UERJ e da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde também é professor. Depois das aulas virtuais de reforço, porém, todos passaram a interagir mais e a ficar motivados. “Quando o aluno começa a pensar que o curso não é para ele, eu procuro incentivá-lo. Enquanto a maioria está de olho nos melhores alunos para fazer Iniciação Científica, eu estou de olho nos que mais precisam, justamente para formar alunos para a Iniciação Científica dos outros professores”, revela entusiasmado.

Aos 37 anos, graduado em Farmácia, com licenciatura em Química e doutor em Química Orgânica, Leonardo Costa desenvolve outras habilidades e experimenta novos elementos, como a lente da câmera. Em seus vídeos bem humorados, aborda assuntos e circunstâncias do dia a dia, como Carnaval e Páscoa. Interpreta personagens cativantes, entre eles um churrasqueiro, com experiências e ocorrências químicas desse ambiente gastronômico; e o Leozinho, sua versão mirim, junto ao avô. Com 96 videoaulas já gravadas, é a esposa, também graduada em Farmácia, que embarca nas aventuras e contribui no roteiro e toda a produção. Mas o apoio dos alunos, sob supervisão dele, é fundamental na interação com os que assistem ao canal. Em breve, o casal pretende contar com a atuação da pequena Laís, de cinco meses, e criar “A Química da Fralda”, contando as curiosidades e fenômenos químicos do universo infantil que estão experimentando com a filha.

Sempre que podem, Leonardo e os alunos divulgam o trabalho e o canal em escolas e outros espaços públicos. A intenção é eliminar o problema antes da chegada à universidade. “Outro dia, a caminho da UERJ, fiz a divulgação no trem. Depois disso, no mesmo dia, meu canal ganhou mais 280 inscritos. Vou tomar coragem e convidar os alunos no bandejão”, diz .

Todo esforço tem um motivo ainda maior. O professor pretende participar, em 2020, do EduCon LatAm, um evento internacional de produção de conteúdo para educação. Promovido pelo YouTube, o encontro é voltado para os influenciadores da área. Com a visibilidade, suas aulas podem atingir mais estudantes, principalmente os do interior, que não têm as mesmas chances de um suporte presencial como os que vivem nos grandes centros. O canal atingiu a marca de 4 mil inscritos. A nova meta é chegar aos 10 mil.