Academia de bambas: projetos enfatizam a importância do debate sobre Carnaval

21/02/202011:19

Diretoria de Comunicação da UERJ

O Carnaval normalmente é visto como uma grande festa, um período em que os brasileiros aproveitam para relaxar ou celebrar nas ruas. No entanto, esse fenômeno cultural e social é também objeto de inúmeras pesquisas e debates no meio acadêmico. Na Uerj, por exemplo, figura como tema de diversas teses e dissertações, seja na área de sociologia, artes ou até mesmo engenharia.

“O Carnaval é um espaço de discussão em si. É um momento de fala, de expressão. Quando você bota uma fantasia, grita e canta nas ruas, você está disposto a falar e aberto a escutar”, explica Felipe Ferreira, professor do Instituto de Artes e criador do Centro de Referência do Carnaval (CRC) da Uerj, pioneiro no Estado do Rio. “É um momento de brincadeira, mas no qual são discutidos assuntos sérios. O que demonstra a capacidade da sociedade de falar pra si mesma sobre seu cotidiano”, complementa.

Foi a partir desta necessidade de reflexão sobre o tema, que Ferreira decidiu criar o CRC, há 11 anos. Com apoio da Reitoria, instalou o projeto na sala 2 do Centro Cultural da Uerj e montou a Biblioteca Fernando Pamplona, com mais de 200 títulos. Além de ser um rico espaço para pesquisa, a iniciativa também promove debates, encontros e palestras.

A Uerj dispõe também do Acervo Universitário do Samba. Coordenado pelo professor do Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAp-Uerj), Luiz Ricardo Leitão, o projeto surgiu em 2015, com o objetivo de atuar academicamente em defesa da cultura popular brasileira, a partir da criação de biografias de figuras expressivas do mundo do samba. “A ideia é facilitar o acesso de pesquisadores, acadêmicos e estudantes a um bom instrumento de pesquisa. Essa é a nossa força motriz”, conta Leitão. 

O Acervo já editou quatro biografias: “Aluísio Machado: sambista de fato, rebelde por direito”, “Zé Katimba: antes de tudo um forte”, “Noca da Portela e de todos os sambas” e “Rosa Magalhães: A Moça Prosa da Avenida”, lançado em novembro de 2019. Este quarto volume inclui, além da história da artista, 117 desenhos originais digitalizados e um DVD com o documentário sobre a carnavalesca, produzido pela TV Uerj.

O professor Luiz Ricardo Leitão conta também com a ajuda da geógrafa Andressa Lacerda, professora do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia do CAp-Uerj. Por meio do estudo da relação entre Geografia e Música busca-se mapear o andar do sambista na cidade. Assim, surgiu a Cartografia do Samba, que se encontra presente nas três últimas biografias editadas.

Além das publicações, o Acervo Universitário do Samba produz, em parceria com a Rádio Uerj, o programa “Uerj dá Samba”, que já conta com três temporadas de entrevistas com ilustres personalidades das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro.

Acesse @uerjoficial no Facebook e conheça outras iniciativas sobre o tema.