IEFD abre colônia de férias de 2019

22/01/201915:53

Diretoria de Comunicação da UERJ

O Instituto de Educação Física e Desportos (IEFD) abriu, nesta segunda-feira (21), a temporada 2019 de sua tradicional colônia de férias. Uma cerimônia no Ginásio Poliesportivo do campus Maracanã marcou o início do período de duas semanas em que cerca de 100 crianças, de 7 a 11 anos, participarão de atividades gratuitas, coordenadas por professores e alunos da graduação.

O diretor da unidade, Carlos Elias Pimentel, deu as boas-vindas aos pequenos e seus respectivos acompanhantes. “Agradecemos a confiança dos responsáveis, faremos o possível para contribuir na formação deles”, destacou.

O projeto, criado há mais de 30 anos, foi retomado pela professora Solange Ferreira em 2008, época em que esteve à frente da vice-direção. Membro do IEFD desde que ingressou como aluna na primeira turma, em 1974, e atualmente aposentada, ela viu na iniciativa um meio de beneficiar dois lados. “Para os estagiários, é uma forma de, ainda na Universidade, vivenciarem e colocarem em prática tudo aquilo que eles estão aprendendo no curso que fazem. E, para as crianças, é uma oportunidade de interação, principalmente nos dias de hoje, em que elas convivem cada vez mais com a tecnologia e menos com os amigos”, afirmou.

A professora Blena Marinho participou da colônia pela primeira vez em 2011, como monitora, e confirma ter absorvido um grande aprendizado. “É o que falo para os meus estagiários: eles ganham meses em duas semanas, porque a experiência de trabalhar com esta faixa etária ampla e com uma diversidade de origens, de escolas públicas, particulares e também abrigos sociais, é muito enriquecedora. E a gente se apega a eles, parece que são alunos de anos”, revelou Blena.

No primeiro dia, as expectativas dos pais eram positivas. “Meu filho tem Asperger, é um tanto hiperativo, então toda chance que vejo de estimulá-lo a conviver com outras crianças aproveito”, contou a técnica de Enfermagem Elaine Oguro. “Moro na Mangueira, não posso deixar minha filha solta na rua; ela acaba ficando presa dentro de casa nas férias. Já aqui vai participar de atividades que não fazem parte da rotina”, disse a comerciante Ana Cláudia Rodrigues”. “Meu mais velho é vidrado em videogame, mas se animou quando soube que colegas da escola também viriam. Acho importante essa interação”, disse a nutricionista Liliane Moreira.

Uniformizadas com a camiseta da colônia, as crianças foram divididas em grupos de acordo com a idade e já partiram para as brincadeiras. Nina, de 8 anos, saiu animada: “Gostei da Educação Física, da sala de ginástica”, disse, referindo-se aos equipamentos de ginástica artística. “Pelo sorrisão, dá para ver que ela gostou mesmo!”, comemorou a mãe, a servidora Ana Lúcia Bastos.

“É muito gratificante o retorno que a gente tem destas crianças. O jeito que elas reagem não tem preço”, disse Renato Landim, que coordena o projeto desde 2008. Segundo o professor, algumas parcerias ajudam a trazer melhorias para a colônia a cada ano. “A gente acabou descobrindo que não precisa sair da Universidade, tem tudo aqui dentro. Temos um diálogo com a Medicina, Engenharia, Oceanografia, Geografia, Enfermagem, Nutrição, Física, Odontologia, enfim, uma série de cursos que hoje nos apoiam. Assim diversificamos o número de atividades”.

Esta edição terá polo aquático, tênis, capoeira e percussão, entre outras novidades. Os experimentos divertidos do Instituto de Física também prometem prender a atenção dos participantes. E os responsáveis não ficam de fora da programação. Para eles, serão oferecidos um aulão de hidroginástica e uma palestra com nutricionistas.